A invasão de Prometheus:

Habitantes parasitários na produção artística contemporânea

Captura de ecrã - 2014-01-03, 23.40.49

RESUMO

Neste artigo iremos explorar, a partir de alguns exemplos da produção artística contemporânea, algumas das capacidades que a habitação parasitária detém. Referimo-nos em concreto a uma obra inaugural de Harvey Stromberg e à sua contraposição na produção cinematográfica do séc. XX e XXI, isto é, Alien e Prometheus de Ridley Scott. Poderemos verificar, através deste exemplos, que existe uma metodologia que opera através de metáforas que nos permite apontar que determinadas operações artísticas, ou certas estratégias de manipulação de contextos, representam táticas de representação das fraquezas da condição humana. Tais obras criam novos vectores de comunicação criativa e encaixam-se dentro de um sistema que, como veremos, revela a interdependência do Eu, numa lógica de exclusão.

Palavras-chave: Habitação parasitária, Alien, Prometheus, Crítica das relações, Condição humana.

O artigo completo será disponibilizado brevemente

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s